domingo, 17 de outubro de 2010

DIÁRIO DE VIAGEM PASSO A PASSO

DIÁRIO DE VIAGEM PASSO A PASSO
               
                O Diário de Viagem é um gênero textual pertencente aos Gêneros Confessionais. É um texto híbrido, mescla de narrativa jornalística e literária. Por isso é aceitável a subjetividade, o uso de adjetivos,  a expressão de impressões íntimas relacionadas aos fatos narrados.
As características básicas do gênero “diário de viagem” podem ser assim resumidas:
  • Narrador na primeira pessoa do singular ou do plural
  • Verbos no passado (relatos sobre acontecimentos que já estão completamente terminados).
  • Registros diferentes ao longo dos três dias (para o caso específico dessa atividade) ou relativos a semanas, meses ou anos.
  • Datas dos eventos narrados ou descritos.
  • Presença de ilustrações, fotografias, gráficos, postais, artigos de opinião, recortes de notícias relativas ao evento ou ao lugar/evento mencionado.
  • Expressões de tempo e conectores do tipo “depois”, “mais tarde”, “então”, depois disso”, “primeiro/primeiramente”, segundo”, entre outros.
  • Expressividade informal.
  • Atribuição de franqueza pelo locutor ao discurso produzido.
  • Presença de referentes afetivos e cognitivos – uso constante de adjetivos.
  • Caráter subjetivo.
  • Não possuir número de páginas mínimas ou máximas.
  • Como não se sabe quem irá ler o diário, prefira a linguagem formal culta. Porém, não se deve exagerar nos termos rebuscados ou empolados. A narrativa deve ser criativa, com ritmo veloz (revejam aquele texto em que o autor usa frases curtas para imprimir um ritmo mais acelerado à narrativa).
  • Podem ser usadas as figuras de linguagem como a ironia, a metáfora, a comparação metafórica para dar mais literariedade à narrativa. Lembrem-se, construções com quebras de expectativas também criam humor.
        Como a narrativa pressupõe também a descrição do clima, pessoas, lugares ou acontecimentos típicos, lembre-se que, para descrever é necessário:
v  ao presente simples, contínuo e ao passado.
v  à preposições de movimento para e de
v  a adjetivos que descrevem lugares, pessoas, celebrações (lindo, belo, bonito, grande, feliz, entre outros)
v  à comparação de adjetivos
v  Operadores discursivos de tempo que permitem transições seqüenciais (depois, então, antes, primeiro, em seguida, etc)
PROPOSTA DE ATIVIDADE
         Escolher um país qualquer e simular uma viagem de três dias a ele. Escolher as cidades mais representativas desse país para o seu testemunho (narrativa). Para cada dia de viagem pode haver mais de um lugar ou cidade visitados. Para cada dia relatado, informar como cabeçalho:
·         Nome do lugar ou cidade, país e data.
·         Narrar os principais acontecimentos, inclusive como foi o trajeto e translado para o lugar visitado. Não se esqueça que as curiosidades relatadas são as que mais chamarão a atenção do seu leitor.
·         Lembre-se: textos muito sisudos não atraem o leitor. Por isso, seja criativo, mas não abuse de clichês, gírias e jamais use palavras chulas!
        Para facilitar a pesquisa, faça o seguinte esquema para cada cidade a ser visitada (quando for fazer o esquema para a cidade, exclua os itens repetitivos ao país, pois devem ser iguais, como a língua ou a localização):
  • Nome do país
  • Localização
  • Língua oficial
  • Clima
  • Tradições, festivais, artes (música, dança, literatura)
  • Curiosidades sobre as pessoas e sobre os locais visitados
  • Comidas típicas
  • Cidades e pontos turísticos mais importantes
        Caso seja necessário, crie um quadro resumo para cada dia de viagem, conforme modelo abaixo:
LUGAR VISITADO/
CIDADE/PAÍS
DATA
O QUE VI
PESSOAS QUE CONHECI
O QUE COMI
CARACTERÍSTICAS OU
CURIOSIDADES SOBRE O LUGAR
  







Referências
Na internet, acessar um search engine (www.google.com ; www.altavista.com) e escrever o nome de um país/cidade, para obter dados a seu respeito.
Longman – Dicionário escolar/Inglês-Português-Português-inglês (Esse site pode ser acessado para o caso de se precisar traduzir a página. Vocês também podem pedir para o próprio Google traduzi-la. Cuidado, porém, com a qualidade da tradução. Lembrem-se: nenhuma máquina consegue traduzir integralmente um texto. Vocês terão de fazer a versão para o Português).
ATENÇÃO:
        Sobre o envio de material para correção, devolução e postagem no blog a ser criado pelos alunos Saulo, Rhuan e Thomaz para a viagem virtual do Segundo Ano do Ensino Médio:
ü  A data para a primeira remessa via e-mail do diário para correção é: 31/08/10, sem possibilidade de postergação;
ü  A data para eu devolver o trabalho corrigido é 05/09/10.
ü  As datas para postagem no blog são: 06, 07 e 08 de setembro de 2010.
ü  A atividade terá o valor de 10,0 pontos (dez pontos inteiros), assim distribuídos:
v  6,0 pontos para o trabalho pronto para a correção, enviado até a data prevista, dentro das normas estruturais para o Diário de Viagem, sendo 1,0 ponto para a criatividade visual ou de linguagem.
v  2,5 pontos para a refacção (as correções necessárias). O trabalho postado sem as correções sugeridas perderá esse valor.
v  1,5 pontos para a postagem. Quem não postar nas datas previstas perderá proporcionalmente os pontos para cada dia de atraso.
v  A não entrega dessa atividade nas datas previstas implicará na ausência da nota mensal, ou seja, será atribuída ao aluno a nota zero.
v  Os alunos encarregados da criação do Blog do 2º Ano do Ensino Médio têm assegurado 2,5 pontos pela disposição em se dedicarem a essa atividade.
v  Além da qualidade do conteúdo das narrativas, serão considerados para a correção:
Ø  Pontuação;
Ø  Sintaxe;
Ø  Coerência (interna e externa) e coesão;
Ø  Variante da linguagem utilizada;
Ø  Atendimento à estrutura interna de um Diário de Viagem.
O PASSO A PASSO

PASSO 01: Escolher o país para o qual viajarei;
Itália, berço dos meus avós paternosPASSO 02: pesquisar e preencher o esquema sugerido para o país escolhido:
  • Nome do país: itália
  • Localização:
v  é um país situado na Península Itálica, na Europa meridional, e em duas ilhas no mar Mediterrâneo, Sicília e Sardenha. A Itália divide suas fronteiras alpinas no norte com a França, Suíça, Áustria e Eslovênia. Os estados independentes de San Marino e do Vaticano são enclaves no interior da Península Itálica.
  • Língua oficial:
v  italiano
  • Clima:
v  O clima da Itália varia de região para região. O norte da Itália (Milão, Turim e Bolonha) tem um clima continental, quando ao sul de Florença apresenta o clima mediterrânico, com verões tipicamente secos e ensolarados. O clima das áreas litorâneas da península é muito diferente do interior, particularmente nos meses de inverno. As áreas mais elevadas são frias, úmidas e frequentemente recebem a precipitação de neve. As regiões litorâneas têm um clima mediterrâneo típico com invernos amenos e verões quentes, geralmente secos. Há diferenças notáveis nas temperaturas, sobretudo durante o inverno: em certos dias em Dezembro ou Janeiro pode nevar em Milão a -2 °C, enquanto em Nápoles as temperaturas estão em +12 °C. Certas manhãs, Turim pode amanhecer com -12 °C, quando ao mesmo tempo Roma se encontra com +6 °C e Reggio Calabria +10 °C. No verão a diferença é mais clara, a costa leste não está tão úmida como a costa ocidental, mas no inverno está geralmente mais fria.
  • Tradições, festivais, artes (música, dança, literatura):
A Itália é um dos países que mais influência teve e tem na cultura européia e mundial, em todas as áreas da arte e cultura. Enquanto país, não existia antes da unificação das Cidades-Estado. A unificação só se concluiu em 1870. Em função disto, muitas tradições culturais que hoje reconhecemos como italianas são mais associadas a regiões específicas do país.
A Itália é o local de nascimento de diversos movimentos artísticos e intelectuais que se espalharam pela Europa e pelo mundo, como o Renascimento e o Barroco. A contribuição italiana para a arte e cultura surge das obras de Michelangelo, Leonardo da Vinci, Donatello, Botticelli,Fra Angelico, Tintoretto, Caravaggio, Bernini, Ticiano e Rafael, entre outros. Além da pintura, escultura e arquitetura, as contribuições da Itália para a literatura, ciência e música são indiscutíveis.
A base da moderna língua italiana foi estabelecida pelo poeta florentino Dante Alighieri, cuja obraA Divina Comédia é considerada a mais importante do período medieval. Em italiano escreveramBoccaccio, Castiglione e Pirandello, além dos poetas Tasso, Ariosto, Leopardi, e Petrarca, cujo mais famoso estilo é o soneto, uma invenção italiana. Grandes filósofos são Bruno, Ficino,Maquiavel, Vico, Gentile, e Eco.
Na atividade científica destacam-se os nomes de Galileu Galilei, Leonardo da Vinci, Fermi,Cassini, Volta, Lagrange, Fibonacci e Marconi.
Da música popular à clássica, a expressão dos sons tem um papel importatíssimo na cultura italiana. A Itália é o local onde nasceu a ópera, por Claudio Monteverdi. Instrumentos inventados em Itália como o piano e violino permitem executar formas artísticas como a sinfonia, concerto, esonata. Alguns dos compositores italianos mais célebres são Palestrina e Monteverdi, ambos da época da Renascença, os compositores do Barroco Corelli e Vivaldi, os clássicos Paganini e Rossini, os românticos Verdi e Puccini e os contemporâneos Berio e Nono.
O cinema italiano também exerceu decisiva influência com o movimento do neorealismo, movimento nascido no país e que revelou grandes diretores como Roberto Rossellini, Vittorio De Sica e Luchino Visconti. Outros diretores se incluem no panteão dos maiores mestres da sétima arte, como Michelangelo Antonioni, Federico Fellini, Sergio Leone, Pier Paolo Pasolini, Ettore Scola, Bernardo Bertolucci, Mario Monicelli, Dino Risi, Marco Bellochio, e mais recentemente, Nanni Moretti. Todos eles, de estilos diversos e fascinantes, possuem ao menos um ponto em comum: são alguns dos mais polêmicos, criativos e mordazes investigadores e críticos da sociedade contemporânea, isso nas artes em geral. Atores como Sophia Loren, Marcello Mastroianni, Vittorio Gassman, Anna Magnani, Monica Vitti, Roberto Benignisão alguns dos mais conhecidos de todos os tempos.

  • Formação do povo:
v  Cerca de 95% da população italiana tem origem na península. Os italianos são descendentes de uma grande quantidade de povos que se estabeleceram na península itálica durante os séculos. Os italianos são uma mistura de povos que já viviam na região, incluindo, dentre vários, os povos latinos (a Oeste), os sabinos (no vale superior do Tibre), os úmbrios (no centro), os samnitas (no Sul), oscanos, entre outros, com os etruscos que se estabeleceram no centro do país, os gregos no Sul e os celtas no Norte. Posteriormente, estabeleceram-se no Norte povos germânicos (ostrogodos, visigodos, lombardos) e, no Sul, os sarracenos (de origem árabe) e os normandos (de origem escandinava). Esses últimos deixaram uma menor influência na etnia italiana.

Cidades mais populosas da Itália
1
2 718 768
11
268 993
2
1 299 633
12
Vêneto
264 191
3
973 132
13
Sicília
243 997
4
908 263
14
Vêneto
210 173
5
663 173
15
205 356
6
610 887
16
Apúlia
195 130
7
372 256
17
Lombardia
189 742
8
364 710
18
Toscana
185 603
9
322 511
19
185 577
10
Sicília
298 957
20
Emília-Romanha
179 937

  • Curiosidades sobre as pessoas e sobre os locais visitados
ARTE POPULAR
A arte popular na Itália ocupa um lugar de especial relevo. Trata-se de muita história, lendas, tradições e fantasias, que ocorrem em numerosos campos. Parte destas artes contribuiu para tornar o artesanato um sucesso. As antigas escolas de arte popular souberam transmitir no decorrer dos séculos a sabedoria e os autênticos artistas, sem rivais no mundo.
Você sabe o que é o Campidoglio?
O Campidoglio é uma cidadela da antiga Roma. Um lugar belíssimo e aconchegante. Um extraordinário lance de escadas leva à espetacular Piazza Del Campidoglio de Michelangelo, rodeada pelos Palazzi Nuovo e dei Conservatori, que abrigam os Museus Capitolinos, com seus admiráveis acervos de esculturas e quadros. Ao redor do Campidoglio, estão inúmeros pontos turísticos que podem ser apreciados como o Monumento a Vitorio Emanuelle, a Chiesa de San Marco, o Pallazzo Venezia, a Insula Romana, o Palazzo Nuovo e a Scalinata dell’Aracoeli.
CANTOS GREGORIANOS
Os mais antigos documentos de composição musical da Europa são os cantos Gregorianos, assim chamados por causa da Pontífice São Gregório que, no século seis, fixou os esquemas, reordenando as regras já traçadas por Santo Ambrósio, arcebispo de Milão, no século quatro. Os compositores italianos que inscreveram o seu nome no firmamento musical internacional são muitos. Devem ser lembrados Giovani Pierluiggi da Palestrina, que compôs diversos corais para missas, das quais a mais célebre é o Papa Marcello, considerada uma das obras primas da música de todos os tempos. No setor de ópera temos Giovachino Rossini, de O Barbeiro de Sevilha e Guilherme Tell. Também temos Vincenzo Bellini, de Norma e Sonâmbula, Giuseppe Verdi, de Aída, La Traviatta, Otello, Trovattore, Ballo in Maschera, La Forza Del Destino e Rigolletto.
DIAS DA SEMANA
Você sabia que seis dos sete dias da semana em italiano tem seus nomes originados de nomes de planetas?
Dias da Semana
(Português)
Dias da Semana
(Italiano)
Planetas
(Italiano)
Planetas
(Português)
Segunda
Lunedi
Luna
Lua
Terça
Martedi
Marte
Marte
Quarta
Mercoledi
Mercurio
Mercúrio
Quinta
Giovedi
Giove
Júpiter
Sexta
Venerdi
Venere
Vênus
Sábado
Sabato
Saturno
Saturno
ESCOLA
Na Itália a escola é aberta a todos. A instrução de primeiro grau, ministrada durante pelo menos oito anos, é obrigatória e gratuita. Os alunos capazes e aplicados, mesmo se carentes de meios econômicos, têm direito de atingir os graus mais altos de estudo. A República Italiana efetiva esses direitos através de bolsas de estudos, ajudas às famílias e outras medidas que devem ser concedidas por concurso.
FILME POLICIAL
Você sabia que em italiano Filme Policial é conhecido como "Film Giallo" (traduzindo ao pé da letra: Filme Amarelo). Na verdade tudo começou porque há muito tempo atrás, as novelas policiais eram escritas em livros com capas amarelas (giallo em italiano é amarelo). A associação de idéias foi tão grande que, até hoje, um filme "giallo" é um filme policial.
GARFO
Você sabia que o garfo foi inventado na Itália? Acredita-se que o garfo tenha sido usado pela primeira vez no século XI, em casas italianas, para se comer frutas que poderiam manchar os dedos das mãos. Até então, as pessoas comiam com as próprias mãos ou, muitas vezes, pegavam os alimentos com facas. Foi só no final de 1450 que os garfos começaram, lentamente, a substituir as facas na alimentação.
GIÁCOMO LEOPARDI
Você sabe quem foi Conde Giácomo Leopardi? Conde Giácomo Leopardi foi um poeta italiano, filho do Conde Monaldo. Teve educação esmeralda pelos jesuítas revelando-se menino prodígio, com o domínio rápido do grego e do latim. Giácomo compôs as poesias PRIMO AMORE, L’INFINITO, ALLA LUNA, IL PASSERO SOLITÁRIO, PENSIERO DOMINANTE e ALLA SUA DONNA. Sua influência foi grande na poesia romântica, especialmente dos países latinos, inclusive a brasileira.
IMPRENSA ITALIANA
Você sabe como é na realidade a Imprensa Italiana? Protegidos por uma constituição que lhes garante plena liberdade, existem hoje no país 85 jornais com tiragem diária de mais de seis milhões de exemplares. Há ainda milhares de semanários e periódicos de grande circulação. Porém, os italianos não são grandes leitores de diários. A Itália tem o índice mais baixo de leitores da Europa.
MASSAS
As massas são o alimento básico de toda a Itália. Os tipos mais comuns de massa são o espaguete, o macarrão, o ravióli, a lasanha e o fetuccinni. Na Itália existe o Museu Histórico do Espaguete, em Pontedassio, perto de Imperia, que mostra a história deste prato. A pizza é outro alimento popular. A cozinha itlaiana usa muita manteiga, azeite e tomate. Quase todas as regiões do país têm sua própria especialidade culinária. Entre elas podem citar-se a mortadela de Bologna, o prosciutto de Parma, o Minestrone de Milão e a Polenta Cuncia do Piemonte.
MESES DO ANO
Os meses do ano em italiano são parecidos com os da língua portuguesa.Veja: Gennaio, Febbraio, Marzo, Aprile, Maggio, Giugno, Luglio, Agosto, Settembre, Ottobre, Novembre e Dicembre.Já os dias da semana são diferentes: Lunedi, Martedi, Mercoledi, Giovedi, Venerdi, Sabato e Domenica.
MUSEUS
Os museus de Roma estão entre os mais ricos do mundo. O Vaticano, sozinho, abriga coleções incomparáveis de artefatos egípcios, gregos e romanos.Escavações feitas no século XIX acrescentaram tesouros da antiga Roma, que estão em exibição em museus por toda a cidade.Obras de Michelângelo e Rafael são encontrados nos museus romanos. No Museu do Vaticano podem ser vistos objetos preciosos, como a cruz do século IX, mostrando cenas da vida de Cristo.Na galeria Spada encontram-se pinturas dos séculos XVII e XVIII.O Palazzo Corsini exibe trabalhos de Caravaggio, Rubens e Van Dick.
MUSICA E DANÇA
A música e a dança na Itália possuem uma antiga tradição de arte popular, que na maioria das vezes a conseguiram transmitir até os nossos dias. As músicas, os costumes tradicionais, o cinema e a televisão divulgaram por definitivo a Itália.A principal caracterização do patrimônio cultural dos italianos é as manifestações de arte, criada e difundida pelo próprio povo italiano.
ÓPERA
A Itália é o berço de muitos compositores notáveis, particularmente na Ópera. A Ópera nasceu na Itália no começo do século XVII.Claudio Monteverdi, um dos principais compositores de ópera, escreveu Orfeu, encenada em 1607.A ópera atingiu o auge no século XIX e começos do século XX. Compositores como Caetano Donizetti, Pietro Mascagni, Giácomo Puccini, Giovacchino Rossini e Giuseppe Verdi eram todos italianos.Entre os compositores italianos de música instrumental podem ser citados: Niccolò Paganini, Ottorino Respighi, Tomaso Albinoni e Antônio Vivaldi.
PIZZA
Você sabia que foram os italianos que aperfeiçoaram a Pizza? A história da Pizza começou com os gregos, que faziam massa à base de farinha de trigo, arroz ou grão-de-bico e as assavam em tijolos quentes.A novidade foi parar na Península da Etrúria, na Itália. Era um alimento de pobres do Sul da Itália, mas foram os napolitanos que passaram a acrescentar molho de tomate e orégano à massa, que era dobrada ao meio e devorada como se fosse um sanduíche. Quem tinha um pouco mais de dinheiro colocava queijo, pedaços de lingüiça ou ovos por cima.A partir do século XVI, a novidade era apreciada na corte de Nápoles e logo se espalhou pelo mundo.A primeira pizza redonda foi servida em 1889 à Rainha Margherita, em Napoli. Para homenageá-la, o pizzaiolo Rafaelle Sposito usou as cores da bandeira italiana - o branco do queijo, o verde do manjericão e o vermelho do tomate - e lhe deu o nome da Rainha.Desde então a pizza se tornou um dos pratos mais consumidos no mundo, sendo difundida em várias culturas e países.
PANETTONE
Você sabe como surgiu o Panettone? O Panettone surgiu em meados do século XVII no Norte da Itália, região da Lombardia. Muitas estórias contam a sua origem.Uma das mais conhecidas é a do padeiro Toni de Milão. Num certo dia de grande inspiração, Toni preparou um pão com massa doce e leve. Acrescentou frutas e passas e começou a vendê-lo pela cidade. Nasceu então o Pane Di Toni, que mais tarde passou a chamar-se Panettone.
  • Comidas típicas
Os italianos  são conhecidos por comer pratosgenerosos com bastante massas e comidastípicas. Muitos acham que o macarrão e a pizza são as mais populares entre os italianos, mas na verdade a Bruschetta (antepasto italiano) e oCarpaccio  (carne de terneira). Confira os 10 pratos típicos italianos.
1. Bruschetta
2. Carpaccio
3. Macarrão
4. Pizza
5. Ciabatta
6. Porcino
7. Risoto
8. Cappellacci
9. Tartufi
10. Cannelloni

  • Cidades e pontos turísticos mais importantes

ROMA

Uma das cidades mais importantes historicamente do mundo ocidental, possui tumbas etruscas, templos imperiais, igrejas do início do cristianismo, torres medievais, palácios renascentistas e basílicas barrocas. Todos esses monumentos estão misturados na agitada vida cotidiana, com cafés e restaurantes oferecendo o melhor da culinária italiana.

VENEZA

Uma das cidades mais importantes do Renascimento, mantém seu charme tanto nos casarios à beira dos canais, como nas vielas embaralhadas. Os famosos passeios em gôndolas são a marca registrada dessa cidade, assim como a Catedral de São Pedro*.

FLORENÇA

Capital do renascimento, a cidade é um museu a céu aberto, onde além dos impressionantes palácios, como o Palazzo Vecchio, o Palazzo Pitti, residência da família Médici, entre outros, destacam-se o Duomo, a famosa ponte Vecchio sobre o rio Arno, além dos arredores da cidade, que está encravada na Toscana.

MILÃO

Uma das cidades mais sofisticadas do país, é o centro da moda italiana, rivalizando com Paris. É considerada o centro financeiro da Itália, embora as artes e a culinária sejam também seus pontos fortes para os turistas.

SICÍLIA

Ilhas com diversos atrativos turísticos, pode ser citado as praias de profundo azul turquesa; as ruínas das antigas cidades, como as termas romanas de Villa Romana Del Casale, as ruínas de Agrigento, e o teatro de Taormina, entre tantos outros; a igreja normanda de Monreale, a catedral barroca de Piazza Armerina; e acima de tudo o vulcão Etna, ativo até hoje.

HERCULANO E ÓSTIA

Cidades da época do império romano, se mantém intactas graças à erupção do vulcão Vesúvio, que em 64 a.C. derramou lava e cinzas por toda a região, soterrando não somente as cidades como também seus moradores.

VATICANO

Cidade-estado independente, mas encravado no coração de Roma, possui a maior concentração de obras de arte do mundo, espalhadas por museus, capelas e galerias. A maioria dos turistas que circundam o Vaticano no entanto a procuram por seu caráter religioso e de maior importância dentro da fé cristã.

COSTA AMALFITANA

Com apenas 100 km de extensão localizado entre a cidade de Sorrento e Salerno, abriga diversos vilarejos e praias famosas, além de possuir em seu litoral a famosa ilha de Capri com sua Gruta Azul.
Fonte: www.geomade.com.br

PASSO 03: preencher o quadro resumo das datas e dos lugares visitados, conforme quadro sugerido:
LUGAR VISITADO/
CIDADE/PAÍS
DATA
O QUE VI
PESSOAS QUE CONHECI
O QUE COMI
CARACTERÍSTICAS OU
CURIOSIDADES SOBRE O LUGAR
ITÁLIA, Roma
25/08/10
Construído às margens do rio Tevere, o Castelo de Santo Angelo foi construído a partir do ano 139, e tem este nome porque, no ano 590 um anjo surgiu no prédio, para anunciar que a peste que atacava Roma logo acabaria. Durante a época medieval esta foi a mais importante das fortalezas pertencentes aos Papas, mas serviu também como calabouço e prisão para muitos patriotas, na época dos movimentos de unificação da Italia ocorridos no século 19. De seu terraço superior, tem-se uma vista linda do rio Tevere, dos prédio da cidade e até mesmo do domo superior da Basílica de São Pedro, no Vaticano.

As ruínas da Roma antiga. Esta área histórica ocupa grande parte do centro, e logicamente, é uma região tombada, onde tudo é intocável. Esta profusão de ruínas da Roma antiga impede até mesmo o metrô da cidade de expandir suas linhas, mas este é um custo plenamente justificável, pois este é um pedaço da história da humanidade, visitado diariamente por pessoas de todas as partes do mundo. Forum Romano, Arco de Setimus Severus, Curia, Casa das Vestais, Templo de Castor e Pollux, Arco de Titus, Palatino, Arco de Constantino, Templo de Vênus e de Roma, Mercado de Trajano, Forum de Augustus, Templo de Fortuna Virilis, Porta Maggiore, Circus Maximus, só para citar alguns, formam uma sucessão de lugares maravilhosos, que nos dão vontade de voltar no tempo para ver o esplendor e grandeza desta cidade em seu apogeu, na época dos Césares.

A Piazza Di Spagna é um dos locais mais conhecidos de Roma. A vista que se tem do alto destas escadarias é uma das melhores da cidade, o que fez deste local uma escolha freqüente de muitos diretores de cinema. Este é um local tradicional de encontro de gente jovem, turistas, e artistas de rua, que costumam se reunir em torno da Fontana della Barcaccia, na base desta escadaria, ou nas ruas em volta, para papear ou ficar de azaração. A igreja do topo, Trinità dei Monte, foi construída em 1495, e contém muitas obras de arte. Perto desta praça fica também outro ponto importante da cidade, a Via Condotti, uma das ruas mais elegantes de Roma, onde ficam várias lojas de griffe, além do mais tradicional dos cafés da cidade, o Caffé Greco. Outra caminhada muito agradável é percorrer a badalada Via del Corso, uma das mais movimentadas artérias de Roma, que segue desde o Vittoriano até a Piazza del Popollo (Praça do Povo), que de praça não tem nada, mas é sem dúvida um dos endereços mais concorridos de Roma. Vale a pena uma ida, nem que seja para tomar um gellato.

Um dos pontos mais agradáveis e românticos de Roma é a Piazza Navona, usada na Roma Imperial para corridas de cavalos, ou inundada para a realização de batalhas navais. Rodeada de prédios históricos e simpáticos bares com mesas nas calçadas, uma boa pedida aqui é sentar num deles, pedir o tradicional sorvete Tartufo, e ficar apreciando o movimento em volta. Nesta praça ficam as lindíssimas fontes - fontanas - de Fiumi,  Moro e Nettuno. É nesta praça também que fica a embaixada do Brasil. .

Conheça também o Vittoriano, apelidado de "máquina de escrever". Construído entre 1885 e 1911, em homenagem a independência Italiana, ele guarda o túmulo do soldado desconhecido. Esta é uma das maiores construções de Roma, e é praticamente o centro do centro. Neste ponto começa a Via del Corso, a avenida mais central da cidade, repleta de lojas finíssimas, restaurantes e locais da moda. Em sentido contrário, a Via dei Fori Imperiali, nos conduz direto ao Coliseu. Depois vá até a Galleria Borghese, que guarda uma das mais famosas coleções de arte de Roma. Ela foi nomeada em memória ao Cardeal Scipione Borghese, grande incentivador das artes. Lá estão obras belíssimas de artistas clássicos como Rubens, Boticelli, Bellini, Giorgione e Veronese.

Ninguém pode se dar ao luxo de visitar a cidade sem ir até a Fontana di Trevi, a mais famosa fonte de Roma, e jogar nela uma moedinha, para assegurar que um dia voltará à cidade eterna. Sua origem vem desde o século 19 antes de Cristo. Aqui era o ponto final de um aqueduto responsável pelo abastecimento da cidade. De acordo com o ritual romano, a forma correta de se jogar uma moeda na Fontana di Trevi, e com isto assegurar que você um dia voltará à Cidade Eterna é ficar de costas para a fonte, segurar a moeda com a mão direita, e jogá-la para trás, com um movimento sobre o ombro esquerdo. Não se deve olhar para a moeda, mas por via das dúvidas peça para um amigo ou amiga conferir se ela caiu mesmo na água....
Conhecer pessoas nessas visitas não é fácil. No máximo falamos com alguns outros turistas (se dermos sorte de achar algum brasileiro por lá).

Normalmente, se está tão deslumbrado com a vista, que pessoas não importam nessa hora.

Roma é, na nossa opinião, a melhor capital gastronómica da Europa. Desde pizzas, pastas, lasanhas, pode comer tudo isto a preços mais baratos do que alguma vez pôde imaginar.


Definitivamente a zona mais barata de Roma para se comer é Trastevere (uma zona recatada, com pouco trânsito já que as ruas são demasiado estreitas para carros e ainda pouco conhecida pelo turista). Neste local o mais difícil é escolher o restaurante já que os preços confluem entre eles.
A nossa sugestão é ficar-se por aquele restaurante onde exista uma mesa vaga (o que se pode tornar complicado de conseguir durante as 12h30/14h e as 19h30/22horas).


Os restaurantes em Roma, são exactamente iguais aos que vemos nos filmes, e esta zona não é excepção.
Mesas quadradas para 2, toalhas ao xadrez, velinhas e flores e com alguma sorte um arcodeanista ou violinista.

Os preços são bastante acessíveis.
Pode almoçar, com entrada (salada, sopa ou pão-de-alho), primeiro prato (lasanhas, pizzas, pastas, cannelonni, ...), segundo prato (frango, peixe ou carne) e uma sobremesa á escolha, por apenas 8€.

Estes restaurantes optam também por menus idênticos ao jantar cuja diferença pode variar em 1 ou 2€.
Não se esqueça que o serviço de esplanada é pago. Uma quantia simbólica devido ao óptimo atendimento e excelente refeição que acabou de ter, por 1.5€ por pessoa.
Se durante o dia prefere não parar para almoçar petisque então em qualquer esquina romana.
É fácil encontrar uma pizzaria onde pode comprar tapetes de pizza (em itália as fatias de pizza não se vendem em triângulos e são pagas ao peso).
Depois de cortadas são aquecidas e acredite que vão parecer saídas do forno.
Entre e se não gostar de nenhuma,(o que é muito difícil) não se preocupe pois 100m depois vai encontrar uma nova pizzaria.
Evite pizzarias que não pertençam a italianos já que os ingredientes das pizzarias estrangeiras, nomeadamente chinesas (sim, eles também já fazem pizza) são de qualidade bastante inferior para além de praticarem preços absurdos para a pouca qualidade que têm.



Para além da famosa comida, os italianos fazem sobremesas fantásticas.
Os apreciadores de tiramisu não terão dificuldades em deliciar-se e os gelados serão concerteza uma das melhores tentações italianas.
Prove pois têm um sabor do melhor que vai experimentar na sua vida.

Qualquer gelataria é excelente, e mesmo junto das zonas turísticas, como a Piazza de Spagna é possível comer um gelado gigante de 6 bolas por uns meros 6€.

Roma tem várias praças cheias de animação, comércio e esplanadas.
No entanto estes locais praticam valores demasiado elevados.
Sugerimos que compre um gelado e se sente num passeio a apreciar os animadores de rua.
Se no entanto preferir comer outra coisa ou queira mesmo descansar numa esplanada afaste-se do cafe Ai Tre Tartufi na Piazza Navona.
Os Wc's são do mais sujo que vai encontrar na sua vida, fazem os preços conforme o turista (apesar de ter uma ementa com os preços fixados) e os empregados são extremamente rudes. Prefira a esplanada em frente a esta.

Claro que também existe fast food em Roma, mas os famosos McDonnald's e casas semelhantes não estão em qualquer esquina como em Londres por exemplo. Se está com saudades de um hamburguer então procure bem já que não vai encontrar com tanta facilidade.
Cidade com mais de 2.800 anos, provavelmente fundada por Rômulo (aquele que matou o irmão Remo, depois de terem sido criados por uma Loba-Lupa).

Porém, a lenda local é a seguinte: certa vez um homem muito cruel atacou o pai de dois gêmeos, o aprisionou, raptou seus dois filhos e os abandonou na floresta para morrerem. No entanto o choro das crianças atraiu a atenção de uma Loba que os encontrou e decidiu levá-los e amamentá-los como se fossem seus filhotes. Um dia um camponês passava pela floresta, viu as duas crianças mamando na Loba e decidiu levá-las e batiza-las com os nomes de Rômulo e Remo. Muito anos depois, já adultos, eles foram a procura de seu pai, o encontraram, libertaram e puniram o homem que o havia aprisionado. Depois voltaram para o lugar próximo às margens do rio Tevere, onde a Loba os tinha amamentado por tantos anos, e decidiram que aquele deveria ser o lugar de uma nova cidade. Esta cidade foi fundada no dia 21 de abril do ano 753 antes de Cristo, e o nome para ela escolhido foi Roma.
ITÁLIA, Vaticano
26/08/10
O Museu do Vaticano abriga um enorme acervo incluindo obras de arte das antigas civilizações egípcia, grega e romana, e quadros deslumbrantes executados pelos mais renomados mestres medievais e renascentistas.

Os corredores estão repletos de ornamentos, quadros, tapeçaria suntuosa e incontáveis obras.

A visita culmina com a entrada na Capela Sistina, decorada com afrescos de grandes mestres do renascimento, capitaneados por ninguém menos que Michelângelo.

Os efeitos de profundidade, a riqueza das cores e a multiplicidade dos detalhes são de tirar o fôlego. A melhor parte fica no teto, mas os atentos guardas do local não permitem que os visitantes sentem ou deitem-se para melhor apreciar a obra, o que é uma pena!
Nenhuma, na verdade. Fiquei estonteada com a vista. Não queria nem falar, pois o encanto da viagem poderia ser quebrado. No máximo, conseguia apertar os botões da minha máquina fotográfica. Depois dessa visita, poderia morrer silenciosamente e em paz!
No Vaticano, ao contrário do que muitas pessoas possam pensar, é possível também fazer refeições com menus semelhantes aos de Trastevere por menos de 10€.
Por isso se tirou a manhã para estar na fila para entrar no Museu do Vaticano não se preocupe pois à saída vai encontrar bons restaurantes a preços acessíveis.
Se o seu destino é o Plus Camping Roma irá encontrar em frente a este o supermercado Panorama e um pouco mais à frente uma Mcdonnald's e uma Pans and Company.
Os preços no supermercado são muito acessíveis e também eles fazem pizzas caseiras, mas nada que se comparem às feitas no centro da cidade antiga.
Se o normal das suas férias é emagrecer, esqueça pois em Roma com certeza que irá ganhar uns quilos já que é quase impossível parar de comer.
Era 11 de fevereiro de 1929 e faltava meia hora para o meio-dia quando um Cadillac preto estacionou na frente do Palácio de Latrão, em Roma. As portas do carro se abriram e o homem mais temido da Itália saiu. Era Benito Mussolini, chefe do regime fascista que governava o país. Dentro do palácio – o quartel-general da Cúria Romana, rosto administrativo da Igreja Católica – o papa Pio 11 e seus funcionários mais gabaritados receberam o ditador com apertos de mão. A conversa teve início e Mussolini logo exibiu suas cartas: queria que a Igreja reconhecesse oficialmente o regime – era uma tentativa de neutralizar o adversário Partido Popular. A Igreja também foi clara ao falar de seus objetivos. Pediu o que havia perdido, no século 19, durante o processo de unificação italiana: um Estado soberano. Por volta da 1 da tarde, Mussolini assinou o Tratado de Latrão, que conferia ao papa um território independente dentro de Roma. Em troca, a Igreja reconhecia como legítimo o governo controlado pelo duce.
A rigor, foi nesse dia de inverno, na soturna companhia de um dos mais violentos tiranos do século 20, que nasceu o Estado do Vaticano como ele é hoje: o menor país independente do mundo e a última monarquia absolutista da Europa.
 ITÁLIA, Calábria, Reggio Calábria 
 27/08/10
 Festival de músicas típicas do sul da Itália, o Festival Dello Stretto. À noite é que se apresentam as melhores bandas. Assim, durante o dia aproveitei para conhecer os pontos turísticos da cidade.

Domenica foi minha guia e me levou a lugares maravilhosos na cidade. A cidade é feita para receber o turista nesta época, por causa do Festival Dello Stretto, o mais famoso do lugar. Conheci donos de “ristorantes” que sempre tinham uma boa história para contar, principalmente quando descobriam que você é estrangeiro, mas tem tradições com o lugar.
 Resolvi experimentar algo não muito trivial. Afinal, comer “pasta” na Itália seria falta de criatividade minha. Domenica sugeriu um festival de risotos. Assim, poderia experimentar todos os sabores dessa região. Adorei os frutos do mar, com pratos como o Antipasto di Frutti di Mare, que contém caranguejo, camarões, lula, mexilhões e outros frutos, temperados com azeite e suco de limão. Além destes, sardinhas, enguias, mexilhõese lulas são bastante encontradas nos pratos dessa região. A polenta, típica da comunidade italiana no Brasil, é oriunda daqui, e geralmente servida grelhada, acompanhada de algum molho. O Tiramisu, a sobremesa mais famosa da Itália, é típica desta região, e é um pão de ló embebido em café e queijo mascarpone.
Giani Vercace, famoso estilista italiano, nasceu nesta província. Vindo de família muito pobre, venceu todos os obstáculos para tornar-se mundialmente conhecido.

A ambrosia, doce bastante conhecido no Brasil,  é desta região.

Se você não for bastante perseverante, passará o dia todo comendo. Reggio é um mina de ouro de comidas maravilhosas.

Para se hospedar em Reggio, prefira os lugares conhecidos como Bed & Breakfast, pois os hotéis são caríssimos, em virtude da localização da província, às margens do Mediterrâneo. Melhor reservar seu dinheiro para conhecer o máximo de lugares possíveis (e comer muito, é claro!).

Reggio tem forte influência grega. Seu artesanato e suas músicas lembrar muito certas regiões da Grécia.
PASSO 04: Revestir-se de imensa força de vontade e começar a escrever:
PASSO 05: Fazer a primeira leitura para verificar possíveis correções necessárias:
PASSO 06: Rezar para ter feito um bom trabalho e enviar para a professora:
PASSO 07: Fazer promessa a todos os santos possíveis para que o retorno da professora não venha cheio de sugestões de correção:
PASSO 08: Não perder as datas de postagem e fazê-las dentro das regras criadas para tanto. Nessa hora é possível que você queira fazer um pacto com o diabo. Não exagere. É só mais um trabalho escolar que vocês certamente são mais do que competentes para realizá-lo.
PASSO 09: Esperar para ver a nota que receberam pelo esforço.



RESULTADO FINAL DA MINHA SAGA VIRTUAL E IMAGINÁRIA PELA ITÁLIA (role até a próxima página)
P.S. Não façam a viagem para o mesmo lugar. Sejam criativos e escolham outro país!!!!!!!






 Brasil, São Paulo. 26/08/10
        Embarco finalmente rumo à realização de um dos meus sonhos (eu sou um pouco pretensiosa: não tenho apenas um, mas muitos sonhos). Estou a caminho da Itália. Mais precisamente Roma. Lá começa a minha tão esperada viagem a terra dos meus avós paternos. Sei que tenho duas origens: a de meus avós por parte de pai e a por parte de mãe. Para falar a verdade, sempre fui mais ligada aos meus avós maternos. Convivi mais com eles. Era apaixonada por meu avô Pedro, tanto que dei seu nome ao meu primeiro filho. Por outro lado, em função de meu pai – um grande contador de histórias e causos, fiquei muito mais próxima da cultura italiana.
        Acho que meu pai foi culpado – de certa forma – por eu apagar minhas origens espanholas. Não me pergunte nada sobre as raízes da minha mãe. Sei muito pouco. Entretanto, a do meu pai, ah, dessa eu sei bastante.
        O voo é tranquilo e, em poucas horas, estou em terras italianas, berço do latim, minha língua favorita – se um dia encontrar um curso sobre ela, já que está morta (eu não gosto desse termo; não considero o latim algo morto, mas adormecido dentro da gente). Escrevam isso: um dia falarei latim tão fluentemente quanto o português. Podem contar com isso!
        Chego à Roma nas primeiras horas da manhã. Procuro um albergue (muito mais barato que hotéis ou pousadas), guardo minha pequena bagagem (ninguém quer carregar peso em uma viagem dessas!) e corro para o primeiro ponto turístico.
        Foi difícil escolher o que visitar (aliás, não sejam tolos: façam um roteiro bastante detalhado de tudo o que querem fazer, pois quando realizamos um sonho, temos muita facilidade em nos perdermos nele). Resolvi começar pelo o que estivesse mais próximo do meu albergue: o castelo de Santo Ângelo.
        Construído às margens do Rio Tevere, o Castelo de Santo Ângelo foi construído a partir do ano 139 d.C, e tem este nome porque, no ano 590 d.C um anjo surgiu no prédio, para anunciar que a peste que atacava Roma logo acabaria. Durante a época medieval esta foi a mais importante das fortalezas pertencentes aos Papas, mas serviu também como calabouço e prisão para muitos patriotas, na época dos movimentos de unificação da Italia ocorridos no século 19. De seu terraço superior, tem-se uma vista linda do Rio Tevere, dos prédio da cidade e até mesmo do domo superior da Basílica de São Pedro, no Vaticano.





  
        De lá, parti para as ruínas da Roma antiga, onde fica o Coliseu. Não dá para ir a Roma sem conhecer as ruínas, não é mesmo? Esta área histórica ocupa grande parte do centro, e logicamente, é uma região tombada, onde tudo é intocável. Esta profusão de ruínas da Roma antiga impede até mesmo o metrô da cidade de expandir suas linhas, mas este é um custo plenamente justificável, pois este é um pedaço da história da humanidade, visitado diariamente por pessoas de todas as partes do mundo. O Fórum Romano, Arco de Setimus Severus, Curia, Casa das Vestais, Templo de Castor e Pollux, Arco de Titus, Palatino, Arco de Constantino, Templo de Vênus e de Roma, Mercado de Trajano, Fórum de Augustus, Templo de Fortuna Virilis, Porta Maggiore, Circus Maximus, só para citar alguns, formam uma sucessão de lugares maravilhosos, que dão vontade de voltar no tempo para ver o esplendor e grandeza desta cidade em seu apogeu, na época dos Césares.
IMAGENS DA ROMA ANTIGA

 RUÍNAS DO COLISEU
         Infelizmente, não posso ficar muito tempo. Tenho apenas um dia nessa cidade e há muitos lugares a conhecer. Quero fazer uma refeição – se possível rápida – e colocar o pé na estrada, mais precisamente nas ruas de Roma!
        Roma é a melhor capital gastronômica da Europa em minha opinião. Desde pizzas, pastas, lasanhas, pode-se comer de tudo, a preços mais baratos do que se pode imaginar. Definitivamente,  a zona mais barata de Roma para se comer é Trastevere (uma zona recatada, com pouco trânsito já que as ruas são demasiado estreitas para carros e ainda pouco conhecida pelo turista). Neste local o mais difícil é escolher o restaurante já que os preços confluem entre eles. Sugiro ficar por aquele restaurante onde exista uma mesa vaga (o que se pode tornar complicado de conseguir durante as 12h30/14h e as 19h30/22horas).
        Os restaurantes em Roma, são exatamente iguais aos que vemos nos filmes, e esta zona não é exceção. Mesas quadradas para dois, toalhas xadrezes, velinhas e flores e com alguma sorte um arcordeanista ou violinista. Os preços são bastante acessíveis. Pode-se almoçar, com entrada (salada, sopa ou pão-de-alho), primeiro prato (lasanhas, pizzas, pastas, cannelonni), segundo prato (frango, peixe ou carne) e uma sobremesa à escolha, por apenas 8 euros.

        Estes restaurantes optam também por menus idênticos ao jantar cuja diferença pode variar em 1 ou 2€. Não se esqueça que o serviço é pago. Uma quantia simbólica devido ao ótimo atendimento e excelente refeição que acabou de ter, gira em torno de um euro e meio. Se você não quiser perder tempo em parar para almoçar (o que será uma pena, já que a comida italiana é mais do que maravilhosa), há opções para todos os gostos. Você pode petiscar em qualquer esquina romana. É fácil encontrar uma pizzaria onde pode comprar tapetes de pizza (Na Itália as fatias de pizza não se vendem em triângulos e são pagas por peso). Depois de cortadas são aquecidas e, acredite, vão parecer saídas do forno. Entre em qualquer portinha, por mais simples que lhe pareça e,  se não gostar de nenhuma (o que é muito difícil),  não se preocupe pois 100m depois vai encontrar uma nova pizzaria. Evite pizzarias que não pertençam a italianos já que os ingredientes das pizzarias estrangeiras, nomeadamente chinesas (sim, eles também já fazem pizza) são de qualidade bastante inferior,  para além de praticarem preços absurdos para a pouca qualidade que têm.

        Reserve, entretanto, um espaço (se isso for possível) para as sobremesas. Não se comenta muito sobre isso no Brasil, mas os italianos fazem sobremesas fantásticas. Os apreciadores de tiramisu não terão dificuldades em deliciar-se e os gelados serão com certeza uma das melhores tentações italianas. Prove um pouco de tudo,  pois têm um sabor do melhor que vai experimentar na sua vida. Qualquer gelateria é excelente, e mesmo junto das zonas turísticas, como a Piazza de Spagna é possível comer um gelado gigante de 6 bolas por uns meros 6€. Não coma nos pontos turísticos – as piazzas – pois os comerciantes praticam preços mais caros. Ande umas quadras, pois valerá à pena.
        Terminado o meu “frugal” almoço (tentem acreditar, por favor, no frugal), sigo para a Piazza de Spagna. Acho que as imagens dirão mais do que as minhas palavras, acreditem.

        Dali para a Piazza Navona é um pulo. Não deixem de visitar. É um lugar maravilhoso, muito melhor que qualquer sonho que vocês já tiveram. Podem crer. O tempo ali parece ter parado, como nos restante de Roma. É como se tivéssemos entrado em uma página de um livro de História. Melhor, é como se tivéssemos sido transportados para uma época diferente. Dá vontade de se vestir com roupas adequadas ao momento histórico desses lugares. Para ser absolutamente sincera, gostaria de viver (no presente mesmo) nessa época. Ah, Einstein, porque você morreu antes de inventar a viagem no tempo!
PIAZZA NAVONA, ROMA

        Sinto-me uma criança numa loja de doces: não sei o que escolher, para onde ir. Deixo a beleza estonteante da Piazza Navona para ir ao encontro do Palácio Vitoriano. Apelidado de "máquina de escrever", foi construído entre 1885 e 1911, em homenagem a independência Italiana. Ele guarda o túmulo do soldado desconhecido. Esta é uma das maiores construções de Roma e é praticamente o centro do centro. Neste ponto começa a Via del Corso, a avenida mais central da cidade, repleta de lojas finíssimas, restaurantes e locais da moda. Em sentido contrário, a Via dei Fori Imperiali, nos conduz de volta ao Coliseu. Dali, não pude resistir, e dei uma passada na Galleria Borghese,  que guarda uma das mais famosas coleções de arte de Roma. Ela foi nomeada em memória ao Cardeal Scipione Borghese, grande incentivador das artes. Lá estão obras belíssimas de artistas clássicos como Rubens, Boticelli, Bellini, Giorgione e Veronese. Pena que não se pode fazer fotos lá.


        Saindo da galeria de artes, segui para a Fontana de Trevi. Infelizmente não pude ficar por muito tempo, só o suficiente para fazer algumas fotos. Está anoitecendo, estou exausta – não sei se de andar ou por estar extasiada com tanta beleza. Não quero mais voltar para a minha cidade. Quero ficar eternamente aqui, sem ter que pensar em mais nada, só na próxima rua a conhecer; só no próximo monumento, só na próxima visitação.


        Tenho que voltar ao albergue. Mas antes vou comer alguma coisa rápida. Amanhã sigo para o Vaticano. Que maravilhas que esperam!?


ITÁLIA, VATICANO. 27/08/10
        Reservei o dia todo para o Museu do Vaticano. Quis passar o maior tempo possível junto a Michelangelo e outros artistas italianos. Sei que não posso fazer fotos dentro do Museu, mas não tem problema: há inúmeras fotografias para serem compradas no lado de fora.
        Aliás, é bom mesmo não ter de se preocupar em tirar fotos. Dentro do Museu há muitos mundos a serem explorados, incapazes de serem imaginados, mesmo que se conheça um pouco de História. Eu fiquei sem saber o que olhar: eram tantos detalhes, tantos corredores, estátuas, imagens, pinturas, esculturas. Olhar o teto da Capela Sistina é um assombro! Nunca, em tempo algum dos meus mais maravilhosos sonhos, imaginei que pudesse haver tanta beleza. Eu senti uma grande alegria, acho até que se pode chamar de êxtase.
A Piettá, de Michellangelo

ESCADARIAS
CAPELA SISTINA, A CRIAÇÃO
A TRANSFIGURAÇÃO DE CRISTO, CAPELA SISTINA
        Saí do Museu em paz com a minha alma. Já posso morrer, pois vislumbrei o paraíso!
        Voltando à realidade, antes de voltar ao albergue, preciso comer. No Vaticano, ao contrário do que muitas pessoas possam pensar, é possível também fazer refeições com menus semelhantes aos de Trastevere por menos de 10€. À saída é possível encontrar bons restaurantes a preços acessíveis. Se o normal das suas férias é emagrecer, esqueça,  pois em Roma, com certeza, irá ganhar uns quilos à mais,  já que é quase impossível parar de comer.
        De volta ao albergue, arrumo meus pertences para seguir de madrugada ao meu último destino: Calábria!
ITÁLIA, CALÁBRIA. 28/08/10
        De todos os destinos possíveis na Itália, vocês devem estar se perguntando o porquê de eu ter escolhido a Calábria. É uma homenagem a meu pai. O pai dele, Felipe, veio dessa região e meu pai sempre teve muito orgulho disso. Não é comum que imigrantes italianos tivessem vindo do sul do sul da Itália, pois essa não é uma região agrícola e os que foram ao Brasil é porque tinham experiência, principalmente, com a agricultura. A Calábria, na época de meu avô, era uma das regiões mais pobres da Itália. Os ricos ficavam ao norte.
        A Calábria fica bem ao sul da Itália, no chamado “dedo” da bota. É essa parte marrom marcada no mapa. Ela está “chutando” a Sicília e, pela fama dos calabreses, é bem possível que estivessem fazendo isso mesmo. Os calabreses são conhecidos por serem um povo rústico, bravios. Vai ver que por isso tenho esse meu temperamento explosivo e opiniões tão fortes. Se for, saibam que me orgulho disso!
        Meus avós não eram típicos italianos: louros de olhos azuis. Especialmente meu avô Felipe era de pele mais escura, traços vigorosos, alto e de olhos castanhos. Devo reconhecer que era um tipo que impunha muito medo. Ao contrário, meu pai que tinha mais semelhanças com ele do que com minha avó Carmela, era doce, terno e reservado. Nunca tive medo dele, pelo contrário. Quando criança, sentia-me muito protegida por estar ao seu lado.
        Desejei muito poder encontrar o vilarejo onde meu avô nasceu. Mas seria preciso muito tempo de pesquisa em bibliotecas e em documentos antigos para tentar localizar Vergna. Não a localizei. Então, fui para a região que acredito ser a mais próxima de onde o Vovô Felipe viveu até sua mocidade. Reggio Calabria.
        Reggio tem forte influência grega. Seu artesanato e suas músicas fazem lembrar muito certas regiões da Grécia. Também o seu povo, por estarem às margens do Mediterrâneo, lembram um pouco os gregos. Giani Vercace, famoso estilista italiano, nasceu nesta província. Vindo de família muito pobre, venceu todos os obstáculos para tornar-se mundialmente conhecido. A ambrosia, doce bastante conhecido no Brasil,  é desta região. Se você não for bastante perseverante, passará o dia todo comendo. Reggio é um mina de ouro de comidas maravilhosas. Para se hospedar em Reggio, prefira os lugares conhecidos como Bed & Breakfast, pois os hotéis são caríssimos, em virtude da localização da província, às margens do Mediterrâneo. Melhor reservar seu dinheiro para conhecer o máximo de lugares possíveis (e comer muito, é claro!).
        Em Reggio, nesta época, acontece o Festival de músicas típicas do sul da Itália, o Festival Dello Stretto. À noite é que se apresentam as melhores bandas; quero assistir ao festival para conhecer um pouco mais da cultura dos meus ancestrais. Assim, durante o dia aproveitei para conhecer os pontos turísticos da cidade.
        Como Reggio não é um destino muito comum para turistas brasileiros, resolvi contratar um guia. No Bed & Breakfast fui informada que uma jovem, de nome Domenica, filha dos donos do lugar, poderia me acompanhar pela cidade. Foi ótimo essa experiência, pois pude manter contato com as pessoas locais. Domenica foi meu anjo da guarda, uma amiga muito prestativa e uma “nativa” insubstituível. Jamais me esquecerei dela.
       
        Ela me levou a lugares maravilhosos na cidade que, certamente, eu não conheceria se não estivesse acompanhada por alguém local. A cidade é feita para receber o turista nesta época, por causa do Festival, o mais famoso de Reggio. Por intermédio de Domenica,  conheci os lugares realmente importantes, as pequenas ruas, as pessoas típicas, os donos de “ristorantes” que sempre tinham uma boa história para contar, principalmente quando descobriam que você é estrangeiro, e tem tradições ou ligações com o lugar.
        Para repor as minhas energias durante o almoço, resolvi experimentar algo não muito trivial. Afinal, comer “pasta” na Itália seria falta de criatividade minha. Domenica sugeriu um festival de risotos. Assim, poderia experimentar todos os sabores dessa região. Adorei os frutos do mar, com pratos como o Antipasto di Frutti di Mare, que contém caranguejo, camarões, lula, mexilhões e outros frutos, temperados com azeite e suco de limão. Além destes, sardinhas, enguias, mexilhõese lulas são bastante encontradas nos pratos dessa região. A polenta, típica da comunidade italiana no Brasil, é oriunda daqui, e geralmente servida grelhada, acompanhada de algum molho. O Tiramisu, a sobremesa mais famosa da Itália, é típica desta região, e é um pão de ló embebido em café e queijo mascarpone.
        É claro que não deixei de ir ao Museu. Sou rato de museus e não perderia uma chance dessas de jeito nenhum. O Museu do Mediterrâneo tem a forma de um barco. Se você olhar por outro ângulo, terá a impressão de ver a calda de uma baleia. Lembra um pouco o museu Guggenheim, de Nova Yorque com suas curvas e toda a sua sinuosidade. É maravilhoso, tanto por dentro quanto por fora. Estar neste lugar é um privilégio que jamais poderia imaginar, principalmente tendo a oportunidade de conhecer pessoas que bem poderiam ser meus parentes.
Vista parcial de Reggio

Artesanato com influências gregas

Orla do Mar Mediterrâneo

Paisagem

Catedral de Reggio Calabria
Museu do Mediterrânio, Reggio Calabria




Castelo Reggio


A ponta do “dedo” próximo à Sicília
Reggio não dorme

                É, Reggio não dorme, mas eu sim. Preciso me aprontar para voltar ao Brasil. Meu sonho chegou ao fim. Despeço-me de Domenica, minha mais terna amiga italiana, a quem serei eternamente grata por me mostrar este lugar inesquecível e ensinar sobre a cultura da terra de meu pai.
        Tento ter ânimo para arrumar minhas coisas, mas parece que não consigo sair do lugar. Sinto certa tristeza e melancolia. Uma saudade daquilo que ainda não está devidamente no passado. Não quero que esteja. Está sendo muito difícil deixar a Calábria. Gostaria que meu pai estivesse aqui comigo. Adeus, Calábria!

        

Um comentário:

  1. Estive pesquisando sobre diários de viagem para fazer com meus alunos e este trabalho está muito bom. Parabéns!

    ResponderExcluir